A Tecmóbili usa cookies para melhorar sua experiência em nosso site. Ao clicar
em "ok, prosseguir" você concorda com o uso que fazemos dos cookies. Detalhes

whatsapp tecmobili
Home / Blog

A prevenção do suicídio: entenda a importância

VOLTAR PARA TODOS OS POSTS Escrito por:

Data: 10/09/2020

O Setembro Amarelo é uma campanha que acontece desde 2015 em parceria da Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP) e o Conselho Federal de Medicina (CFM) com o objetivo de promover a importância da conscientização sobre a prevenção do suicídio. Mesmo com o aumento de casos sendo notório, ainda existem barreiras para serem quebradas quando o assunto é esse. Neste artigo, falamos sobre a importância da conscientização sobre a prevenção do suicídio além de te explicar como funciona a campanha e onde procurar ajuda quando o assunto é saúde mental. 

Como começou o Setembro Amarelo?

Com início no Brasil em 2015 pelo Centro de Valorização da Vida (CVV), Conselho Federal de Medicina (CFM) e a Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP), as primeiras atividades do Setembro Amarelo aconteceram em Brasília. Nos anos seguintes, várias outras regiões aderiram ao movimento e potencializaram a causa. O mês de setembro é o mês mundial da prevenção da causa e o dia 10 de setembro é oficialmente o Dia Mundial da Prevenção ao Suicídio.

O suicídio é o ato de tirar a própria vida de maneira intencional. Pensamentos suicidas, transtornos relacionados ao problema, planos e tentativas de morte também fazem parte deste comportamento. Cerca de 79% dos casos de suicídios ocorrem em países de baixa e média renda de acordo com a OMS. Com o objetivo de conscientizar as pessoas sobre a prevenção do suicídio além de alertar a população sobre a realidade brasileira, a ideia é que a iniciativa abra espaços para diálogos e discussões que abordem a seriedade do assunto, além de fornecer apoio para quem precisa e não sabe à quem recorrer.

O cenário no Brasil e no mundo

Durante todo o mês de setembro, diversas ações são realizadas a fim de sensibilizar a sociedade e os profissionais da área para sintomas relacionados à causa e para a saúde mental. Segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), mais de 800 mil pessoas tiram a própria vida todos os anos. Estima-se que, no mundo, a cada 40 segundos acontece um suicídio. A causa é considerada a segunda principal de morte entre jovens com a idade entre 15 e 29 anos. No Brasil, cerca de 32 brasileiros tiram suas próprias vidas por dia. 

Os números são alarmantes e, certamente, poderiam ser evitados se a causa tivesse todo o apoio necessário. Políticas eficazes para prevenção do suicídio fazem parte de uma pauta importantíssima, principalmente para reforçar a questão da saúde pública, uma vez que, infelizmente, para muitos o suicídio ainda é visto como uma espécie de fraqueza. Por estes e outros motivos, precisamos falar sobre a importância da conscientização sobre a prevenção do suicídio e estimular o governo para criar medidas precisas para o tema.

Como saber se alguém precisa de ajuda?

Algumas pessoas, quando estão sob risco de saúde, apresentam alguns sinais. Muitos destes sinais são silenciosos, por este motivo, é importante ter conhecimento de alguns deles para entender se alguém próximo pode estar pedindo ajuda.

  1. Apresentar sentimentos de impotência, solidão e desesperança;
  2. Irritabilidade, pessimismo ou apatia;
  3. Apresentar personalidade agressiva, impulsiva ou humor instável;
  4. Comportamento retraído, dificuldade para se relacionar com amigos e a família;
  5. Mudança nos hábitos alimentares ou rotina de sono;
  6. Sentimento de culpa, odiar-se, sentir vergonha por algo ou não reconhecer seu valor;
  7. Apresentar um desejo súbito em concluir afazeres pessoais, escrever um testamento e organizar documentos;
  8. Escrever cartas de despedida;
  9. Doenças físicas crônicas, limitantes e dolorosas ou doenças incapacitantes como AIDS, epilepsia ou câncer;
  10. Ter doenças psiquiátricas como transtornos mentais, depressão, bipolaridade, transtornos de personalidade como esquizofrenia e ansiedade generalizada ou transtornos de comportamento com o uso de substâncias psicoativas como álcool e drogas. 

Como ajudar?

De acordo com a OMS, 90% dos suicídios podem ser prevenidos. Algumas ações são fundamentais quando o assunto é ajudar uma pessoa com comportamentos suicidas. Acima de tudo, a empatia e alteridade devem estar explícitas para que a pessoa se sinta confortável em falar abertamente, sem se sentir pressionada.

  1. Seja afetuoso e dê todo o suporte necessário;
  2. Fique calmo para ouvir e demonstrar empatia;
  3. Procure entender os sentimentos e não rotular a importância deles;
  4. Pergunte sobre pensamentos ou tentativas suicidas;
  5. A situação deve ser levada à sério considerando os graus de risco;
  6. Converse com a família e amigos de forma imediata;
  7. Tente explorar outras saídas além do suicídio, outras formas de apoio emocional são possíveis;
  8. Remova meios que facilitem o suicídio em casos que apresentam grandes riscos;
  9. Permaneça ao lado de quem pede ajuda durante os transtornos;
  10. Demonstrar cuidado e preocupação constantemente gera confiança e respeito.

O que não fazer?

Uma coisa é importante: não ignorar a situação de uma pessoa que apresenta comportamentos e pensamentos suicidas. Não fique envergonhado ou demonstre pânico. Ao dizer que “tudo vai ficar bem”, é importante fazer algo para que isso aconteça, caso contrário, a pessoa pode sentir que sua dor está sendo diminuída quando não está.

A principal lição é não fazer algo que demonstre que o problema da pessoa é algo pequeno ou uma bobagem. Falsas garantias driblam a pessoa do caminho de encontrar alguém que realmente o ajude, por isso, é importante buscar ajuda imediatamente e não deixá-la sozinha em momentos de crise.

Falar é a melhor solução! Busque ajuda.

É possível buscar ajuda dentro da sua própria casa além de procurar um especialista no assunto. Alguns recursos e fontes de apoio podem ser:

  1. Família;
  2. Amigos e colegas;
  3. Profissionais da área da saúde, como psicólogos, médicos, enfermeiros e outros agentes da saúde;
  4. Centro de apoio emocional como o CVV (Centro de Valorização da Vida) através do número de contato 188;
  5. Grupos de apoio.

Parte das nossas responsabilidades como uma administradora de condomínios é estar por dentro de maneiras que possam ajudar nossos condôminos, independente de quais sejam. Agora que você já sobre a importância da conscientização sobre a prevenção do suicídio, é importante compartilhar essa informação para que mais pessoas saibam o que fazer e a quem recorrer quando o assunto é a prevenção do suicídio. 

Lembre-se que, a grande maioria das mortes por suicídio podem ser evitadas através de um diálogo aberto e tranquilo, livre de julgamentos. Caso conheça alguém ou é você a pessoa que possui algumas dificuldades, lembre-se de pedir ajuda, existem pessoas dispostas para ouvir você!

Compartilhe:

linkedin tecmobili facebook tecmobili

Posts relacionados

Criado e Desenvolvido por: Agência Zíriga